Depoimento: Foi humilhado pela família, mas a vida lhe mostrou que somente ele poderia vencer o HIV

Eu tenho 20 anos, e a 2 anos fui diagnosticado como soropositivo. Não foi nada nada fácil no começo, eu tive distúrbios emocionais graves, pensei que a morte seria a solução para meu problema. Até que um dia eu entendi que tudo na vida têm um propósito maior, e que eu não poderia deixar com que esta minha nova condição de vida me abalasse assim.

Eu ergui a cabeça e fui atrás dos meus sonhos, as vezes, tenho recaídas, mas afinal de contas, quem não tem? Somos humanos, falhamos, somos frágeis… Meu sonho é ser jornalista, então eu criei um blog, no anonimato, uma espécie de diário onde eu relato algumas experiencias, que vão desde o meu cotidiano até o sentimento de ir ao posto de saúde da minha cidade buscar os remédios.

Foram muita das vezes, que recebi olhares de reprovação, de dó, ouvi pessoas dizendo que isso foi uma escolha minha, que eu sou uma pessoa imunda e uma vergonha pra minha família, mas eu não deixo mais que essas atitudes me abalem, pelo contrário, eu faço delas um instrumento pra me manter ainda mais forte! Eu só não entendia porque tudo isso aconteceu comigo, e as vezes ficava repassando cada milésimo de segundo da minha vida só pra encontrar onde é que eu deveria realmente ter mudado as minhas escolhas, mas nunca encontro nenhuma justificativa, nenhuma resposta, eu ficava me martelando se realmente mereço ter a vida que tenho, se realmente merecia ser um peso na vida das pessoas, porque era assim que me sentia desde que me confirmei soropositivo, um peso. Mas ao mesmo tempo eu percebi que sou muito forte, porque eu não quero desistir da vida, não quero abrir mão do bem maior que tenho, a minha vida. Por mais que seja difícil pra mim, cada dia é como se fosse o ultimo de minha vida, cada coquetel que tomo é como se eu estivesse me abastecendo.

“Cada coquetel que tomo é como se eu estivesse me abastecendo”

Hoje, com 20 anos, sendo soropositivo, eu não acredito que eu perdi a minha vida, eu não acredito que eu devo me curvar para as pessoas ou me sentir menor que os outros. Uma coisa eu digo, vivamos, sorrimos, cantemos, dancemos, choremos e principalmente nos encontremos em nós mesmo.

Meu caro amigo, um dos parágrafos que nos chamou a atenção é ver que você refletia sobre o passado, porém iremos lhe dizer que suas conquistas estão a sua frente e não mais lá trás, o que passou, passou! Enfrente os obstáculos da vida com toda sua força e garra meu nobre. Outra coisa, você não é imundo e nem vergonhoso! Imundo e vergonhoso é quem pensa desta forma. Reflita e persista sempre meu amigo. Conte conosco…


Conte sua história ou depoimento clicando AQUI ou pelo e-mail faleconosco@amigospositivos.com.br, sua indentidade será preservada e sua história ajudará muitos amigos a sua volta.

Outras Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *